Condicionamento neotectônico na rede de drenagem e no relevo do baixo curso do rio Doce (Espírito Santo, Sudeste do Brasil

Nome: Cirla Busato
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 14/12/2020
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Luiza Leonardi Bricalli Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Eberval Marchioro Examinador Interno
Luiza Leonardi Bricalli Orientador
Telma Mendes da Silva Examinador Externo

Resumo: RESUMO
Esta pesquisa teve como objetivo principal investigar a relação do relevo e da
rede de drenagem com mecanismos neotectônicos no baixo curso do rio Doce
(Espírito Santo - sudeste do Brasil). A base metodológica utilizada integrou as
análises de gabinete e de campo. As análises de gabinete foram realizadas em
3 (três) etapas: i) revisão bibliográfica sobre o tema da pesquisa; ii) elaboração
de mapas; e iii) interpretação de fotografias aéreas (Ortofotos Digitais). As
análises de campo possibilitaram verificar as principais anomalias de
drenagem, as feições morfotectônicas e a litologia dos compartimentos
geológicos, que foram registradas por meio de máquina fotográfica com
resolução de 10.1 megapixels e GPS (Global Position System). Com base na
análise da rede de drenagem e das feições morfotectônicas em gabinete e em
campo identificaram-se dois compartimentos fortemente contrastantes,
diretamente relacionados à subdivisão geológica básica do estado do Espírito
Santo, sendo estes: i) Compartimento do Embasamento Pré-Cambriano, a
oeste da área estudada e ii) Compartimento dos Depósitos Cenozóicos, a leste
da área estudada. Nesses compartimentos associaram-se as orientações
principais dos padrões de drenagem, das anomalias de drenagem, a densidade
e a orientação da drenagem e dos blocos tectônicos e das feições
morfotectônicas aos controles litoestruturais, litológicos e neotectônicos,
especialmente com as orientações do orógeno Araçuai (no qual se insere a
área estudada), Faixa Colatina e, especialmente, aos eventos neotectônicos
existentes no estado do Espírito Santo: transcorrência sinistral E-W (de idade
possivelmente neogênica), transcorrência dextral E-W (pleistocênica a
holocênica) e distensão NW-SE (holocênica).
Palavras-chave: rede de drenagem, relevo, neotectônica

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910