Territorialização do capital e mobilização do trabalho da expansão colonial à metropolização crítica

Código: PPGG-7233
Curso: Mestrado em Geografia
Créditos: 4
Carga horária: 60
Ementa: Nosso objetivo com essa disciplina é apresentar e discutir uma leitura dos conceitos de territorialização do capital e mobilização do trabalho para, mediante a mesma, oferecermos igualmente uma leitura da formação territorial que culminaria na constituição do território do Estado nacional brasileiro.
Partiremos da interlocução crítica com a leitura do conceito de região que a toma como autoevidente e com aquela que considera a separação de áreas resultado da definição por seu estudioso de quais elementos são empiricamente significantes, do conceito de território que distingue o aspecto relacional das práticas territoriais enquanto um exercício de poderes, do conceito de deslocamento populacional que compreende serem mero resultado da livre determinação dos sujeitos e daquele que afirma resultarem de um quadro estrutural de determinações econômicas, políticas e/ou sociais, em direção a uma leitura do conceito de territorialização do capital que procure evidenciar a articulação contraditória do processo de reprodução social que mobiliza trabalho mediante práticas de violência extra-econômica e econômica.
A autonomização em processo expressa pela divisão social do trabalho mobilizado em territorialização vai conferindo o monopólio legítimo da violência extra-econômica ao Estado nacional que deve juridificar aquelas relações. Como momento da mencionada divisão, os trabalhadores que portam os poderes territoriais do Estado nacional são mobilizados como assalariados pelo dinheiro. O resultado do seu trabalho como garantia do exercício da troca de equivalentes entre cidadãos proprietários permite mostrar o processo como desdobramento da expropriação, a qual não só internaliza a metrópole, mas também metropoliza seu território (nacional), simultaneamente polarizando-o. O controle da terra torna-se assim determinante da possibilidade de existência e reprodução do padrão territorial no qual se assenta o Estado.
Tais práticas territoriais envolvem, portanto, a mobilização do trabalho, entendida com a sua transformação na mercadoria força de trabalho, ainda que mediante processos regionais de reprodução das relações sociais de produção que permitem essa acumulação (primitiva), cujo comando é dirigido pela finalidade fetichista de transformar dinheiro em mais dinheiro. Este dinheiro, que se territorializa em seu curso forçado no Estado nacional passa assim a ser considerado em sua dimensão de poder em processo, o poder estatal, mas também o poder das mercadorias de comandar trabalho alheio.
Bibliografia: Dois conceitos de região e um conceito de território
SORRE, Maximilien. Fundamentos da geografia humana. In: MEGALE, Januário Francisco (Org.); FERNANDES, Florestan (Coord.). Max Sorre. Geografia. São Paulo: Ática, 1984.
HARTSHORNE, Richard. Questões sôbre a natureza da Geografia. Rio de Janeiro: Instituto Panamericano de Geografia e História, Comissão de Geografia, 1969.
GOLDENSTEIN, Lea; SEABRA, Manoel. Divisão territorial do trabalho e nova regionalização. Revista do Departamento de Geografia, v. I, n. I. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1982.
RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.
AGLIETTA, Michael & ORLEAN, André. A violência da moeda. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.
O debate sobre os deslocamentos populacionais e a mobilidade do trabalho
PÓVOA NETO, Helion. Migrações internas e mobilidade do trabalho no Brasil atual. Novos desafios para a análise. Experimental, v. 2, p. 11-24, 1997.
SALIM, Celso Amorim. Migração: o fato e a controvérsia teórica. In: ABEP (Org.). Anais do VIII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, vol. 3, Campinas, ABEP, 1992.
GAUDEMAR, Jean-Paul de. Mobilidade do Trabalho e Acumulação do Capital. Lisboa: Estampa, 1977.
Territorialização do capital e mobilização do trabalho em um território colonial: tráfico e deslocamentos forçados de escravos com o sentido de produzir mercadorias para a Europa
PRADO JR., Caio. Sentido da colonização. Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia. São Paulo: Brasiliense, 1979.
NOVAIS, Fernando. A crise do antigo sistema colonial. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808). São Paulo: Hucitec, 2005.
FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Organização social do trabalho no período colonial. In: PINHEIRO, Paulo Sérgio (Org.). Trabalho escravo, economia e sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.
Mobilidade escrava e homens livres na ordem escravocrata: a liberdade da violência e a violência da liberdade
CHALHOUB, Sidney. Visões de Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras. 1990.
MELLO e SOUZA, Laura de. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. 2 ed. Rio de Janeiro: Graal. 1986.
PRADO JR., Caio. Agricultura de subsistência. Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia. São Paulo: Brasiliense, 1979.
______. Pecuária. Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia. São Paulo: Brasiliense, 1979.
Reprodução regional de relações de produção particulares: a forma territorial da acumulação de capital de fronteira
MARTINS, José de Souza. Introdução. O cativeiro da terra. São Paulo: Editora Hucitec, 2004.
______. Desigualdade e propriedade: Os marcos do processo de valorização no regime de colonato. O cativeiro da terra. São Paulo: Editora Hucitec, 2004.
______. A metamorfose da renda capitalizada e as formas de sujeição do trabalho na grande lavoura. O cativeiro da terra. São Paulo: Editora Hucitec, 2004.
GARCIA JR., Afrânio. Libertos e sujeitos: Sobre a transição para trabalhadores livres do Nordeste. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 3, n. 7, São Paulo, junho de 1988, disponível em: file:///C:/Users/ASUS/Downloads/rbcs07_01.pdf.
A teoria moderna da colonização
MARX, Karl. A teoria moderna da colonização. O Capital. Crítica da Economia Política. Livro Primeiro. Volume I. Tomo I. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
Coronelismo como autonomização do Estado nacional
COUTINHO, Eduardo. Teodorico, o imperador do Sertão, 1978.
SARNO, Geraldo. Coronel Delmiro Gouveia. 1978.
Crise da região e emergência de um novo padrão territorial de acumulação
OLIVEIRA, Francisco. Introdução. Elegia para uma re(li)gião: SUDENE, Nordeste. Planejamento e Conflito de Classes. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1987
MARTINS, José de Souza. O voo das andorinhas: migrações temporárias no Brasil. Não há terra para plantar nesse verão: o cerco das terras indígenas e das terras de trabalho no renascimento político do campo. Petrópolis: Editora Vozes, 1986.
COUTINHO, Eduardo. Cabra marcado para morrer. 1984.
Metropolização, polarização e planejamento
OLIVEIRA, Francisco de; MAZZUCHELLI, Frederico. Padrões de acumulação, oligopólios e Estado no Brasil: 1950-1976. In: MARTINS, Carlos Estevam (Org.). Estado e capitalismo no Brasil. São Paulo: Hucitec/CEBRAP, 1977.
______. Expansão capitalista, política e Estado no Brasil: notas sobre o passado, o presente e o futuro. A economia da dependência imperfeita. Biblioteca de Economia. Rio de Janeiro: Edições do Graal, 1977.
MARTINS, José de Souza. A miséria do desenvolvimento. A militarização da questão agrária. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1985.
______. Três frentes de lutas sociais no campo: os assalariados, os posseiros, os sem-terra. A militarização da questão agrária. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1985.
Reposição da acumulação primitiva ou futurização da reprodução capitalista?
OLIVEIRA, Francisco de. O vício da virtude: autoconstrução e acumulação capitalista no Brasil. In: Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 74, 2006.
______. O surgimento do antivalor. Os direitos do antivalor: a economia política da hegemonia imperfeita. Petrópolis: Vozes, 1998.
Urbanização crítica e emergência de um Estado administrador de crise
DAMIANI, Amélia Luisa. A urbanização crítica na metrópole de São Paulo a partir de fundamentos da geografia urbana. Revista da ANPEGE, São Paulo, n. 5, 2009.
HEIDEMANN, Heinz Dieter. Os migrantes e a crise da sociedade do trabalho: humilhação secundária, resistência e emancipação. In: Migrações: discriminações e alternativas. São Paulo: Paulinas/SPM, 2004.
ARANTES, Paulo. Depois de junho a paz será total. O novo tempo do mundo e outros estudos sobre a era de emergência. São Paulo: Boitempo, 2014.
Reprodução fictícia do capital, crise do trabalho e mundo fronteira
KURZ, Robert. A ascensão do dinheiro aos céus. Os limites estruturais da valorização do capital, o capitalismo de casino e a crise financeira global. Publicado na Revista KRISIS, n° 16/17, 1995. Versão portuguesa em obeco.planetaclix.pt, maio de 2002.
ARANTES, Paulo. O mundo-fronteira. Material audiovisual. Disponível em: https://vimeo.com/180118837.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910